Doenças Psicossomáticas com Manifestações Orais

Tempo de leitura: 3 minutos

 

<img src="doencas-psicossomaticas.jpg" alt="Doenças Psicossomáticas" />
Doenças Psicossomáticas

Doenças Psicossomáticas ou Autoimunes

O termo doença psicossomática é bastante utilizado quando uma doença física ou não, tem seu princípio na mente.

As doenças psicossomáticas podem se manifestar em diversos sistemas que constituem nosso corpo, como por exemplo: gastrointestinal (úlcera, gastrite, retocolite); respiratório (asma, bronquite); cardiovascular (hipertensão, taquicardia, angina); dermatológico (vitiligo, psoríase, dermatite, herpes, urticária, eczema); endócrino e metabólico (diabetes); nervoso (enxaqueca, vertigens); das articulações (artrite, artrose, tendinite, reumatismos).

É comum, nos casos de doenças psicossomáticas, que o paciente enfrente dificuldades no diagnóstico e até insucesso dos tratamentos propostos, gerando uma passagem por vários médicos especialistas em busca da cura ou alívio.

O diferencial mais importante para se considerar uma doença como psicossomática é entender que a causa principal desta descompensação física que aparece no corpo, está dentro do emocional da pessoa, ligada, portanto à sua mente, aos seus sentimentos, à sua afetividade. E esta variável emocional se torna importante tanto no desencadeamento de um episódio, de uma crise, quanto no aumento e/ou manutenção do sintoma, conforme cada pessoa.

A mente e o corpo formam um sistema único e os mecanismos inconscientes são muito presentes nesta ligação. Por isso é comum a sensação inicial de que os sintomas “vieram de repente”, “ou não existir nenhum motivo para que os sintomas aparecessem”.  A ansiedade e a irritabilidade são sentimentos comuns nos quadros psicossomáticos, e há uma tendência a identificar e culpabilizar eventos externos pelo problema, aumentando a sensação de impotência diante das dificuldades.

É importante deixar claro que o corpo também deve ser cuidado com os tratamentos adequados . O aconselhável é um atendimento psicológico associado, que possibilite auxiliar o sujeito a nomear os sofrimentos que vivencia, para além do real do seu corpo. A importância deste tipo de abordagem nos transtornos psicossomáticos também se deve ao fato romper uma possível evolução crônica do problema, que limite progressivamente a vida social e emocional da pessoa.

As doenças autoimunes surgem quando a resposta imunitária é efetuada contra alvos existentes no próprio indivíduo.  As doenças autoimunes têm etiopatonogênese complexa e multifatorial e na maioria das vezes  tem um fundo emocional associado como estresse, ansiedade e depressão.

A cavidade bucal e estruturas adjacentes podem sediar diversas lesões associadas às doenças autoimunes (ou chamadas Doenças Psicossomáticas). As dermatoses autoimunes são patologias que envolvem formação de auto-anticorpos direcionados contra alguns elementos teciduais particularmente da pele ou superfícies das mucosas, da mesma forma que podem assumir um âmbito sistêmico. Esses auto-anticorpos, especificamente, os relacionados às doenças dermatológicas, são direcionados contra constituintes celulares que mantêm as células epiteliais unidas ou que unem o epitélio da superfície ao tecido conjuntivo subjacente.

Estas patologias têm, muitas vezes, associação com sintomas bucais. Veja abaixo quais são essas doenças autoimunes que podem ter manifestações orais.

  • Pênfigos:
    • Pênfigo vulgar
    • Pênfigo  Vegetante
    • Pênfigo Foliáceo
    • Pênfigo Eritematoso
  • Penfigóide:
    • Penfigóide Bolhoso
    • Penfigóide Cicatricial
  • Lúpus Eritematoso
    • Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES)
    • Lúpus Eritematoso Subagudo (LES)
    • Lúpus Eritematoso Discóide (LED)
  • Líquen Plano

 

 

2 Comentários


  1. Dra Raquel estamos interessados em realizar o XV Fórum Internacional em Saúde: Doenças Psicossomáticas e as Implicações à Saúde na Amazônia Ocidental, a ser realizado em Setembro d 2018, quando gostaríamos de convidá-la para apresentar o tema Doenças Psicossomáticas e as Manifestações Orais, em setembro 2018. Prof. Dr. Creso Machado Lopes

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *